Arquivos de tags: Cinema

Rise and fall of Bruna Little Surfer


De antemão, peço desculpas por esse título. Ainda assim, é exatamente isso que Bruna Surfistinha mostra. O filme, baseado na autobiografia O Doce Veneno do Escorpião, delineia a vida e carreira da mais famosa garota de programa que o Brasil já conheceu.

Quer dizer, eu (pelo menos) nunca ouvi falar tanto de outra… Foi em meados de 2006 que Bruna alcançou fama nacional, graças à popularidade alcançada pelo seu blog. Neste blog, ela descrevia, sem inibições, suas experiências como prostituta. Na realidade, pode-se garantir que Bruna ficou famosa por publicar o que tantos gostariam de saber, sem ter pra quem (ou como) perguntar.

O filme inicia-se com os seus últimos momentos de vida familiar. Não se explica claramente como Raquel Pacheco se transforma em Bruna Surfistinha. Raquel foi adotada por uma família que tinha plenas condições de criá-la bem. Estudou em bons colégios particulares e sempre teve tudo de melhor a seu alcance. Aparentemente, nunca passou fome, foi abusada sexualmente ou coisa do tipo.

Saiba mais

RAF e Guerra Fria


Cartaz de procura de 1972, que trazia a foto de alguns dos membros do RAF

Quando se pensa na efeverscência política e cultural dos anos 1960 e 1970, é comum lembrar dos episódios de Maio de 1968 em Paris e da Primavera de Praga. Na Alemanha, o grupo Baader-Meinhof (ou Fração do Exército Vermelho, tradução para a sigla alemã RAF) foi uma organização de extrema esquerda que bombardeou (com o perdão do trocadilho) a segurança política da próspera Alemanha Ocidental, causando tal distúrbio que, em 1977, uma verdadeira crise institucional ameaçava o governo.

Filmes para aprofundar a discussão:
* O grupo Baader Meinhof (2008)
* A honra perdida de Katharina Blum (1975)
* Os anos de chumbo (1980)

Saiba mais

Candura


Cena do filme "A fita branca" (2009)

ATENÇÃO! SE VOCÊ AINDA NÃO ASSISTIU AO FILME “A FITA BRANCA”, HÁ SPOILERS!

Em 1910, Freud escreve: “É facílima de explicar a razão por que a maioria dos homens (…) nada querem saber da vida sexual da criança. Sob o peso da educação e da civilização, esqueceram a atividade sexual infantil e não desejam agora relembrar aquilo que já estava reprimido”. O filme “A fita branca” se passa na mesma época em que a psicanálise começava a incomodar: uma época em que a euforia pelo progresso do início do século mascarava o mal-estar social que viria a explodir na forma da I Guerra Mundial. O longa-metragem de Michael Haneke, formado em Psicologia, Filosofia e Teatro, traz à tona muitas questões que perturbam o espectador; o drama de Nina, em “Cisne Negro”, parece ingênuo perto da angústia vivida por toda a pequena aldeia.

Saiba mais

Patinho Feio


Cena do filme "Cisne Negro" (2010)

ATENÇÃO! SE VOCÊ AINDA NÃO ASSISTIU AO FILME “CISNE NEGRO”, HÁ SPOILERS!

“Cisne Negro” foi, para mim, mais do que um drama envolvente de excelente qualidade artística: também serviu como revisão de inúmeros conceitos que aprendi ao longo de minhas aulas de psicanálise freudiana. A análise da angústia de Nina nos permite entender não apenas seu caso específico, como também explicitar mecanismos presentes em todos nós e, até mesmo, aprofundar certas discussões apresentadas no filme.

Saiba mais

%d blogueiros gostam disto: