Arquivos Mensais: maio 2011

Silêncio na Cidade Universitária


Aquele seria um dia como qualquer outro. Por volta das 22 horas, Tony aguardava a filha sair da faculdade. Ela acabou de fazer 18 anos e está cursando o primeiro ano de administração da FEA (USP). Porém, havia algo diferente. Luzes vermelhas piscavam, iluminando o estacionamento da FEA. Cordões isolavam uma área já tomada por carros policiais. Seguranças terceirizados e integrantes da Guarda Universitária circulavam pelo local. Alguns minutos depois, policiais militares chegam. Tony, assustado e inconformado, pedia mais segurança na Cidade Universitária. ”Quando vi isso, pensei na minha filha”, conta ele.

Saiba mais

Paradoxos do poder


Povos indígenas ainda sofrem com a invasão de suas terras por grileiros; paradoxalmente, movimentos sociais no campo são acusados de invadir terras que não produzem nada.

Uma propriedade para ser considerada privada não pode estar ociosa, precisa respeitar as leis trabalhistas e ambientais e não pode estar cultivando drogas ilícitas. De acordo com essa definição de propriedade privada, grande parte das terras do norte e nordeste do país podem e devem ser consideradas terras públicas – boa parte dessas, entretanto, vem sendo griladas e já tramitam no congresso medidas provisórias que visam torná-las legais.

Saiba mais

Skype na Microsoft: e agora?


Foi anunciada hoje a compra do Skype pela Microsoft por US$ 8,5 bilhões. O Skype, serviço de telefonia por Ip (VoIP) tem cerca de 660 milhões de usuários ao redor do mundo. Sua principal vantagem é a redução drástica (quando não sai de graça) do custo do telefonema. Para se ter uma idéia, uma ligação de um minuto de fixo para fixo entre uma cidade de São Paulo e outra o Rio de Janeiro sai por cerca de R$ 0,69. Já usando o Skype a mesma ligação sai por R$ 0,10. Uma economia de 86%.

A Microsoft vem se esforçando há muito para emplacar o Windows Phone, sistema operacional para smarphones. Até agora não fez nem cócegas no Symbian ou no Android, concorrentes diretos – que dirá no IPhone. Sua estratégia com essa compra, ao que tudo indica, é embarcar o Skype no Windows Phone e fechar o programa – ou seja, restrigir o uso apenas a usuários do Windows Phone. Isso para forçar pelo menos parte dos usuários do Skype a comprarem smartphones com seu sistema operacional.

Com esta manobra a Microsoft conseguirá se firmar de vez no mercado de telefonia? Com certeza ela terá seu mercado expandido, mas o produto que ela oferece ainda está longe de ter a qualidade e o apelo que o IPhone tem, por exemplo. De qualquer forma, é bom ficar de olho, nos próximos meses, no que virá por aí no mercado de telefonia móvel.

(In)Comunicáveis


Postado inicialmente em Meu Copo de Café

O dia começa como qualquer outro. Encastelados em seus biombos, cada qual olha fixo para a tela do computador – nem sempre desempenhando as atividades previstas no contrato. Quase nunca desconectados de redes sociais. Uma típica redação de agências de notícias de órgão público.

O silêncio quase sepulcral é cortado, vez ou outra, por bons dias e comentários fubetolísticos devidamente fundamentados na última rodada do campeonato. Ao longe, vê-se os tipos facilmente reconhecíveis. A mulher de meia idade distribuindo seu charme aos quatro cantos do andar. O boa pinta que desperta risos femininos. Os já conhecidos boleiros. E, de lá pra cá, as moças do café.

Saiba mais

“Questionar”, verbo intransitivo


Capas do disco "The Fame", de Lady Gaga e do single "In My Arms", de Kylie Minogue. Preciso dizer algo? (Créditos: http://itsnotjoseph.blogspot.com/)

Há cerca de dois anos, venho sendo confrontado com uma questão: “Como eu, jovem e homossexual que sou, posso não engrossar as intermináveis fileiras de fãs da cantora Lady Gaga?”. E, mais do que isso, “como posso juntar-me a tantos heterossexuais em sua adoração pela banda alemã de rock pesado Rammstein?”. Bem, diante de tanto espanto, acho que finalmente consegui reunir em palavras as razões pelas quais nunca me empolguei com o trabalho de Lady Gaga. Gostaria, então, de encerrar esse assunto que tanto me persegue.

Para fins de ilustração, gostaria de relembrar um evento que se passou seis anos atrás, quando ainda cursava o ensino médio. Àquela época, os alunos de minha escola receberam uma tarefa especial: cada classe devia montar um desfile de moda criativo e ousado e apresentá-lo aos demais colegas. Um dos desfiles, cujo tema era a mudança da moda e dos costumes ao longo do tempo, encerrou-se com a representação do que os alunos consideravam um “casamento do futuro”, no qual a noiva trajava vestido branco, veu e grinalda e era acompanhada de um “noivo” do sexo feminino, exibindo uma roupa bastante cavada e sensual. No mesmo dia, vi um dos integrantes da sala expressar seu orgulho por fazer parte de um grupo tão moderno e tolerante. No entanto, meses depois, um aluno dessa sala contataria a diretora, comunicando sua saída da escola. O motivo? Ele estaria sendo alvo de discriminação e perseguição devido a sua homossexualidade…

Saiba mais

%d blogueiros gostam disto: